Publicado por: JotaAntunes | 13 março 2011

Deu na coluna do Ancelmo Gois:”Mulher na presidência”. A profecia poética de Aniceto do Império


Nota do blogueiro: O genial jornalista Ancelmo Gois, amigo de sambistas e grande conhecedor do samba da Cidade do Rio de Janeiro, deve eliminar urgente (abjurar) da sua coluna MULATAS. Não temos MULATAS no BRASIL, temos lindas NEGRAS.
Que tal: “NEGRAS DO GOES”?

Obs.: A pedido das minhas lindas filhas Sarah, Karen, Deborah e Maria

Veja como a vida teima em imitar a arte. Vinte e seis anos antes da eleição de Dilma, o genial Aniceto do Império (1912-1993), grande compositor de partido alto, fez o samba… “Mulher na Presidência”.
O produtor Lefê Almeida, pesquisador das reminiscências do samba, um dos responsáveis pelo renascimento da Lapa, descobriu em casa, ao fuçar sua “musicoteca” no carnaval, esta raridade em que diz Aniceto (“mestre maior do partido alto”, segundo bambas como Zeca Pagodinho):
— Se acaso acontecer/Uma mulher na Presidência/É sapiência, é sapiência/Se tu vir uma mulher que ocupe a Presidência/Lucrará muito a nação, dando fim à divergência/Mulher é mais carinhosa, muito mais esforçada/Ela libertará a pátria amada/Falta de trabalho ou crime por motivo vil/Com uma mulher, tudo isso acabará no Brasil…
Tomara.
Confira o samba na voz de Aniceto.

Salve o Império Serrano!

Mais uma vez, o querido Império Serrano passou despercebido no carnaval do Rio. Chegou em 6 no Grupo de Acesso A, segunda divisão do samba, resultado que não é digno da história de uma escola nove vezes campeã da elite. Aqui, a historiadora Rosa Maria Araújo, presidente do MIS, imperiana de coração, faz seu apelo.
“O Império nasceu político, pelas mãos de um grupo de bambas do Morro da Serrinha, muitos deles trabalhadores da estiva, ligados ao Sindicato de Armadores do Porto do Rio, em 1947.
Conhecido por seus enredos antológicos e sambas clássicos, como “Tiradentes”, “Aquarela brasileira”, “Heróis da liberdade”, “Cinco bailes da História do Rio”, “Bumbum paticumbum prugurundum”, o Império continua oferecendo os melhores instantes de felicidade no carnaval. A felicidade seria maior ainda se reunisse a tradição ao brilho das alas e carros alegóricos no Grupo Especial, de onde a escola nunca deveria ter saído.
Sem gigantismo, sem patrono e sem dinheiro, só o imperiano de fé torce na avenida e defende os feitos de Aniceto, Mestre Fuleiro, Tia Eulália, Mano Décio, Roberto Ribeiro, Wilson das Neves e nossa primeira-dama do samba, Dona Ivone Lara. Os sambas do Império continuam memoráveis, como prova o Estandarte de Ouro deste ano para o hino sobre Vinicius de Moraes. Falta apenas realizar a libertação preconizada por Aniceto nesses tempos de mulher na Presidência.” (Rosa Maria Araújo)

Fonte:http://oglobo.globo.com/rio/ancelmo/#368417

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: