Publicado por: JotaAntunes | 23 fevereiro 2014

Dom Orani João Cardeal Tempesta- AO PASTOR DO POVÃO – PARABÉNS !


0 (2)00 (2)
NOTA DO BLOGUEIRO: Dedico o Post a minha amada Filha: Abençoada e eleita caçula: Coroinha da Paróquia São Francisco Xavier- Tijuca- Rio de Janeiro
a.
a2
Orani João ingressou na Ordem Cisterciense, no Mosteiro de Nossa Senhora de São Bernardo, no dia 20 de janeiro de 1968, iniciando seu noviciado no dia 1 de fevereiro de 1968, tendo emitido seus primeiros votos no dia 2 de fevereiro de 1969.
Realizou seus estudos eclesiásticos em São Paulo, na Faculdade de Filosofia no Mosteiro de São Bento, de 1969 a 1970, e no Instituto Teológico Pio XI, dos religiosos salesianos.
No dia 2 de fevereiro de 1972 fez sua profissão solene na ordem. Sua ordenação presbiteral foi em 7 de dezembro de 1974, aos 24 anos, pelas mãos de Dom Tomás Vaquero, na Matriz de São Roque, em São José do Rio Pardo.
Dom Orani foi vice-prior do Mosteiro de Nossa Senhora de São Bernardo no período de 1974 a 1984, quando foi nomeado prior pelo Capítulo da Congregação em Roma, tendo permanecido até sua elevação a abade, em 1996.

Arcebispo inova no cargo ao celebrar missas em favelas e apoiar devoções populares

Depois de um ano e meio no cargo, o arcebispo do Rio, d. Orani João Tempesta, de 60 anos, conhece a maioria das 252 paróquias de seu território, de 1.261 km2 e 6,5 milhões de habitantes. Incansável em sua rotina diária, que começa com as primeiras ligações pelo celular às 7h30 e termina quase à meia-noite, ele enfrenta com serenidade, firmeza e bom humor os desafios do novo posto – da reestruturação administrativa da arquidiocese à violência nas favelas – para reconquistar os católicos que abandonam a prática da religião ou se convertem a igrejas evangélicas.
001
003
dom-orani

Em suas andanças, d. Orani sobe morros e visita áreas de risco onde nem a polícia costuma entrar. Conversa com os moradores, discute os problemas das comunidades, confere o trabalho de seus padres – são 621, dos quais 342 diocesanos e 279 pertencentes a congregações religiosas -, celebra missas e se reúne com grupos da ação pastoral.

Costuma chegar de improviso às paróquias, para conhecer a realidade do povo sem maquiagem. Numa dessas visitas, a escolta que o acompanhava para abrir o trânsito não ousou entrar numa favela controlada por milícias armadas, na Barra da Tijuca. O arcebispo seguiu em seu carro com o motorista e os milicianos baixaram as armas para deixá-lo passar. Em outra favela, o motorista errou o caminho e deu de cara com uma barreira de moradores que quiseram cobrar pedágio. Bastou o arcebispo se identificar para seguir adiante.

“Nem todos os padres se dispõem a subir os morros, porque ali se corre risco de morte”, disse Erika Glória, agente da Pastoral das Favelas e funcionária da Mitra Arquidiocesana que atua nesse setor desde os tempos de d. Eusébio Scheid (2001-2009). Demitida quando o então arcebispo extinguiu esse e outros trabalhos, a conselho de técnicos da Fundação Getúlio Vargas, porque davam prejuízo, ela foi recontratada por d. Orani.

Na avaliação do padre Marcos William, vigário episcopal para a Comunicação, “d. Orani trouxe novo ânimo pastoral e está redimensionando um olhar interpretativo viciado pelo tempo”. O arcebispo manifestou apoio às devoções populares nas festas de São Sebastião e São Jorge. Visitou a Cidade do Samba com a imagem de São Sebastião em janeiro e percorreu o Rio em procissão com a imagem de São Jorge em abril. O presidente da Liga Independente das Escolas de Samba, Jorge Castanheira, vibrou com a chegada de d. Orani à Cidade do Samba. “Foi a primeira vez que recebemos a visita de um arcebispo”, disse ele.

“D. Orani conquistou o Rio muito rápido, porque não recusa nenhum convite. Aceita todos e tem mesmo de aceitar”, disse o cardeal d. Eugenio Sales, ao receber a visita do sucessor na residência do Alto do Sumaré. Arcebispo emérito desde 2001, d. Eugenio, 90 anos a completar em 8 de novembro, não interfere na administração, mas continua atento à caminhada do rebanho.

“D. Orani visita a periferia e conversa com todos os setores com uma postura de diálogo e conciliação, buscando se aproximar de uma sociedade que já não liga para a Igreja”, observa o teólogo Névio Fiorin, da Iser Assessoria, instituição adepta da linha da Teologia da Libertação.

O arcebispo conversa com todos também na área política. Além do governador e do prefeito, ele recebeu candidatos como o deputado Fernando Gabeira, o ex-governador Anthony Garotinho e o senador Marcelo Crivella, da Igreja Universal do Reino de Deus. “Valorizamos o que nos une, não aquilo que nos separa”, justifica d. Orani, ao falar desses encontros.

Autor: José Maria Mayrink
Fonte: O Estado de S.Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: